quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Lembranças

Eu estava pensando de que sentia saudade e comecei a lembrar das coisas e de tudo que vivi, e o que mais me veio a mente foi a minha infância.

Nasci e morei até os oito anos em um sítio no Paraná e lembro-me muito bem com detalhes, mas acho que é porque foram momentos bons e felizes de minha vida.

Lembro que andava de carrinho de rolimã nos carreadores do gado no meio do pasto e se esborrachava quando tinha um buraco.

Lembro que ia junto ao meu avô no pomar, cortava a cana, fazia garapa e depois colocava em um tacho e fazíamos rapadura e açúcar mascavo.

Lembro que subíamos na laranjeira no meio do pasto para chupar laranja e as vacas vinham e tacávamos laranja e juntava mais vacas ainda para comer as laranjas. rsrsrs

Lembro que fui cortar um pé de mamão que meu pai falou para não cortar e quando estava caindo em vez de sair para o lado corri para o lado que estava caindo, rsrsrs levei uma lambada nas costas que quase morri kkkkk.

Lembro que íamos ao ninho da galinha e bebíamos ovo cru.

Lembro que doce e refrigerante a gente só bebia em final de ano e na páscoa.

Lembro que subia no pé de manga e descia todo melequento com a boca toda amarela.

Lembro que fui pra roça com meu pai e estava andando sobre um tronco dei de cara com uma cobra verde, sai correndo e quase me matei em uma cerca de arame farpado. Kkk

Lembro que nossa diversão era andar de perna de pau de quase dois metros de altura e nadar na represa que tinha no fundo do sítio.

Lembro que eu e meu irmão íamos pescar bagre com meu pai à noite.

Lembro que nos fazíamos arapuca, para pegar passarinho e armadilha para pegar preá.

Lembro que mudamos para o Estado de São Paulo e ai tudo começou a mudar.

Lembro que para nadar em um rio precisávamos andar muito porque era longe, e com isso ficávamos quase o dia inteiro fora de casa.

Lembro que começamos a tomar refrigerante todo final de semana, e com o passar do tempo todos os dias.

Lembro que meus avôs morreram.

Lembro de meu pai ficando cada vez mais triste por ter deixado o sítio.

Lembro que tudo era mais fácil e mais simples, pois as crianças brincavam com liberdade, não tinha tanta coisa que tem hoje para prender dentro de casa.

Lembro que não tinha, ou eu não sabia, mas não ouvia falar em droga, e crimes.

Oxalá esses dias tivessem continuado na simplicidade que era, o mundo estaria bem melhor.

Pena que tudo se moderniza, maquinas fazendo o serviço de homens, computadores controlando tudo, até a vida das crianças, terrorismo e outras coisas que denigrem a humanidade.

Me da uma dor no coração de lembrar essas coisas e ver como o mundo esta agora, que só Deus para confortar o coração, se ainda tivesse um lugar assim na terra, simples sem crimes, sem drogas, eu iria correndo morar la e viver em paz com minha esposa.

Waldir Galis

fonte da imagem: informaleilegivel.blogspot.com

Meus poemas e contos estão registrados

myfreecopyright.com registered & protected